Siga por este caminho

9

Aprendi que cada distância para alcançar objetivos necessita que se faça esforço, ninguém chega ao topo dos seus sonhos sem que exista pelos menos uma somação de quedas e se levantar.

Aprendi que gostar da vida é saber emprestar um pouco, para evidenciar o sucesso da multiplicação; é emprestar os olhos para os que não enxergam os pés para os que perderam suas forças e se calam no silêncio da desilusão.

Aprendi que o sentimento de amor surge com o nascer, e através desta aprendizagem construir raízes para que possam fazer nutrir as boas amizades que se tornam redes nos cansaços.

Viver a vida em sua plenitude é impedir lágrimas, decepções e despedidas; é saber plantar em cada canto uma boa árvore para servir de apoio e descanso aos que procuram um pequeno espaço para refletir.

É fazer com que uma simples corda de um violão seja capaz de solar as letras de uma canção e com isso possa desencantar as alegrias perdidas e sepultar as tristezas da vida.

É ser silêncio nas lágrimas de alguém e com sua capacidade de consolar mostrar os caminhos da estrada fechada para que a vida venha ressurgir e o que antes era pedra se torne relva macia.

Nada se torna justo quando aproveitamos as bondades que a vida nos oferece e esquecemos-nos de aliviar o grito que ao lado ensurdece e fingimos não escutar.

Somos hospedes e pagamos aluguel para seguir a estrada sem a necessidade de abrir porteiras, mas com a consciência de que cada ato que realizamos se torna um pouco de nós na esperança do que sofre.

Nunca esqueça de que cada dia tem um peso no futuro, que cada palavra que se perde ao vento deixa impregnada no solo uma cicatriz ou um agradecer e jamais um esquecer.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.