Seu Leitão e Dona Benvinda


leitao

Seu Leitão das Pernambucanas é um cajazeirado que marcou história na terra do Padre Rolim pela sua figura carismática e original. Seu Leitão era o gerente das Pernambucanas, portanto era de espetar uma figura bitolada, voltada totalmente ao emprego, até por pertencer uma rede de lojas conhecida pelo caráter altamente burocrático, as Pernambucanas era famosa, era a maior rede de lojas do Brasil. Onde havia uma cidade de médio porte havia uma loja Pernambucana. Mas seu Leitão, sem descuidar de suas obrigações funcionais, não deixou de participar ativamente da vida cajazeirense: nos meios sociais e políticos. Aliás, seu Leitão e Dona Benvida sua inseparável companheira do lar.

Nascido em 19 de janeiro de 1918, em Brejo do Cruz, chegou a Cajazeiras com apenas 3 anos de idade, teria hoje se ainda contássemos a sua presença física faria hoje 94 anos.

Seu Leitão foi o eterno gerente das lendárias lojas Pernambucanas quando substituiu o Sr. José Alencar. Este emigrou para Fortaleza e criou uma portentosa rede de lojas de móveis e eletrodomésticos. Se seu Leitão não tivesse tanto amor à Cajazeiras e seguisse o exemplo do seu antecessor talvez, com a experiência de tantos anos de Pernambucanas tivesse deixado para os filhos um patrimônio bem mais robusto.

Mas o seu patrimônio maior foram os seus filhos que com a sua esposa Benvinda lhe deram esmerada educação: Deusdeth, médico e homem público, com uma grande folha de serviços prestados a Cajazeiras; Roosevelt, assessor da Câmara dos Deputados, em Brasília e Getúlio, empresário bem sucedido na cidade de João Pessoa.
 Hoje temos o prazer de lembrar esta data tão cara à nossa história para que os mais novos cajazeirenses não esqueçam esta figura indelével da terra do Padre Rolim.
José Antonio de Albuquerque assim nas suas esmeradas crônicas:
pernambucanas

Com o falecimento de Francisco de Vasconcelos Leitão, conhecido popularmente como Leitão, aos 87 anos de idade, morre um dos últimos símbolos mais representativos da história da cidade de Cajazeiras.

A sua vida foi sempre voltada em defesa dos interesses maiores da cidade. Em vida era o único sócio fundador vivo do Rotary Clube de Cajazeiras, criado no dia 11 de julho de 1948. Era a única e última testemunha viva da célebre reunião realizada no Hotel Oriente, presidida pelo  médico  Deodato Cartaxo, inaugurando o Rotary Clube de Cajazeiras, que este ano completou 57 anos de existência.

Leitão era um entusiasta do Rotary Clube, trazia dentro de si um dos grandes lemas deste clube de serviço: “mais se beneficia quem melhor serve” e primava pela melhoria da comunidade pela conduta exemplar de cada um na sua vida pública e privada. Foi através das mãos de Leitão que ingressei no Rotary Clube de Cajazeiras, no dia 22 de fevereiro de 1971. Ter sido afilhado de Leitão, para mim, sempre se constituiu num grande orgulho, principalmente por ele ter sido um dos fundadores do Rotary de Cajazeiras. O grande companheiro Leitão, além de ter participado de quase todas as funções no Conselho Diretor, foi presidente deste Clube no período 1962/1963.

Leitão além de ter sido um grande rotariano, era também maçom, desde 1941, sendo ainda o mais antigo de Cajazeiras, no grau 33. Foi também Venerável Mestre da Loja Maçônica Presidente Roosevelt, tendo sido o doador d o terreno onde hoje está edificada a Loja União Maçônica Cajazeirense.

 Uma das marcas mais representativas de Leitão está associada às Casas Pernambucanas. Não se podia falar nesta loja, sem antes lembrar esta figura que a simbolizava e seu nome era mais forte do que a casa comercial que ele foi gerente por 33 anos consecutivos.
Como homem público serviu a Cajazeiras com muito desvelo e abnegação, tendo sido secretário municipal na administração de Francisco Matias Rolim e ainda quando da grande luta para instalação de uma companhia telefônica em nossa cidade, Leitão foi conduzido, por mérito, a ser diretor da Companhia Telefônica de Cajazeiras.
Era um homem que participava de todas as lutas para carrear obras e benefícios para nossa cidade, sempre ao lado de Chico Rolim, Monsenhor Vicente Freitas, Raimundo Ferreira, Wilson Rodrigues e outros. Esteve presente na luta pelo telefone, pelo abastecimento d´água, na volta do trem, pelo sinal de televisão, na luta pelo aeroporto. Participava de todas as festas sociais da cidade ao lado de sua grande companheira e brava mulher Benvinda Leitão. Sempre foi um grande defensor do Cajazeiras Tênis Clube, inclusive pertenceu à sua diretoria durante muitos anos.
Do casamento de Leitão com Benvinda nasceram três filhos: Deusdedit, que é médico e homem público, com uma grande folha de serviços prestados a Cajazeiras; Roosevelt, assessor da Câmara dos Deputados, em Brasília e Getúlio, empresário, com atuação na cidade de João Pessoa. Leitão conseguiu deixar como grande e imorredoura herança para os filhos que foi o seu grande amor por Cajazeiras e tenho sido testemunha deste amor por Cajazeiras que os filhos de Leitão têm. Cajazeiras perde um dos símbolos maiores de sua história…”
DO BLOG DO CLAUDIOMAR ROLIM

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *