Sabonetes de leite de cabra são alternativa de renda para família do semiárido


sabonete-leite-cabra-dez2013

Aroeira, camomila, canela, erva-doce, maracujá e morango. Esses são alguns dos aromas dos sabonetes artesanais, a base de leite de cabra, produzidos pelas mulheres da Cooperativa Natu Capri do município de Maravilha (AL). A atividade, que recebe apoio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), é uma alternativa de renda para as famílias no semiárido alagoano e tem transformado a vida das 20 trabalhadoras cooperadas.

“Quando essas mulheres começaram a produzir os sabonetes a base de leite de cabra, a maioria era agricultora e só trabalhava no campo. Hoje, elas estudam e estão se formando graças ao desenvolvimento da associação e do apoio da Codevasf”, afirma a diretora de marketing e comercialização da cooperativa, Ana Patrícia Alves.

A produtora Rizalva Ferreira da Silva, há dois anos na cooperativa, está satisfeita com a nova ocupação. “Eu era agricultora, trabalhava capinando na roça, com enxada mesmo, para ajudar meu esposo com o gado. Surgiu a chance de entrar para a cooperativa, participei de uma oficina e fui selecionada. Agora faço os sabonetes, além de fornecer o leite, usado na produção, com as seis cabras que crio”, diz.

A cooperativa de mulheres alagoanas é uma das beneficiadas pela estruturação dos Arranjos Produtivos Locais (APLs) promovida pela Codevasf desde 2004. Além da implantação da fábrica de cosméticos artesanais da cooperativa, a Companhia realiza capacitações e outras ações relativas às diversas atividades produtivas trabalhadas.

“As ações buscam agregar valor aos produtos por meio do artesanato, desenvolver capacidades da população e incentivar a preservação da cultura regional”, destaca a chefe da Unidade de Arranjos Produtivos da Codevasf, Rosangela Soares Matos.

Os APLs são caracterizados por um número significativo de empreendimentos e de indivíduos que atuam em torno de uma atividade produtiva predominante na região, como a ovinocaprinocultura, fruticultura, bovinocultura, apicultura, aquicultura e mandiocultura. A estruturação e o fortalecimento dos arranjos produtivos têm forte impacto na vida dos moradores do semiárido.

“Eu era meio acanhada, mas já estou me desenrolando, vendendo bem, participando de eventos. É uma melhoria para todas as mulheres, cada uma tem suas funções. Ainda ajudo meu esposo na roça, mas a cooperativa é minha atividade principal. Está ótimo lá”, comemora Rizalva Ferreira da Silva, que também participa do conselho fiscal da Natu Capri.

Os sabonetes artesanias a base do leite de cabra produzidos pela cooperativa, além de ricos em vitaminas e hidratantes, possuem propriedades rejuvenescedoras e calmantes. Entre medicinais e aromáticos, a linha de produção tem dez tipos de sabonetes: aroeira, aveia e mel, babosa, camomila, canela, capim-limão, erva-doce, juá, maracujá e morango. “O sabonete de aroeira hoje é o nosso carro-chefe. Ele é anti-inflamatório e atua combatendo bactérias, manchas na pele e coceiras”, explica a diretora de marketing e comercialização da cooperativa, Ana Patrícia Alves.

6ª CBAPL – Os produtos artesanais da cooperativa de mulheres do município de Maravilha (AL) estão expostos na 6ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (CBAPL), até quinta-feira (5), na Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), no SGAS 902, Bloco C, em Brasília (DF).

Com o tema “Sustentabilidade dos APLs: Governança, Conhecimento e Inovação”, a conferência pretende reunir e mobilizar os segmentos produtivos e as principais instituições governamentais e não governamentais para – por meio da troca de informações e experiências – aprimorar as políticas de estímulo ao desenvolvimento local e regional, com soluções voltadas ao incremento da competitividade e da sustentabilidade.

Outras entidades apoiadas pela Codevasf também participam do evento: Associação Comunitária de Pequenos Produtores Rurais de Riacho D’Antas e Adjacências (MG), Cooperativa Regional dos Apicultores do Médio São Francisco (Coopamesf/BA), Associação dos Pequenos Produtores de Uva de Bebedouro (Appub/PE), Associação Brejograndense de Criadores de Abelhas e Artesões (SE), Central de Cooperativas dos Cajucultores do Estado do Piauí (Cocajupi/PI) e a Agroindústria de Processamento de Frutas do Assentamento Marrecas (APFrutas/PI).

A Codevasf é membro do Grupo Permanente de Trabalho para Arranjos Produtivos Locais. O grupo é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e conta com 33 instituições governamentais e não governamentais que trabalham de forma articulada buscando o apoio integrado aos APLs.

Apoio aos APLs – Desde 2004, a Codevasf atua na estruturação das atividades produtivas da aquicultura, apicultura, bovinocultura, fruticultura, ovinocaprinocultura, horticultura, mandiocultura, economia criativa, avicultura e cajucultura. A empresa promove o desenvolvimento regional em benefício das populações das bacias dos rios São Francisco, Parnaíba, Itapecuru e Mearim.

A partir de 2012, em parceria com Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional (SDR/MI), a Companhia passou a ser uma das principais executoras do eixo de inclusão produtiva do Plano Brasil Sem Miséria – Programa Desenvolvimento Regional, Territorial Sustentável e Economia Solidária – sendo as “Rotas de Integração Nacional” a principal estratégia de atuação no adensamento de APLs.

A estruturação dos arranjos produtivos é feita por meio da mobilização e orientação dos produtores, que são estimulados a atuar associadamente. Após a identificação dos pontos frágeis da cadeia produtiva, a Codevasf busca atuar na promoção de seu fortalecimento, seja na produção, por meio da doação de equipamentos, insumos e animais, seja na melhoria da qualidade do produto, com a construção de unidades de produção e beneficiamento, bem como em capacitações, necessárias para o êxito das atividades.

CODEVASF

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *