Cajazeiras-PB, 19/11/2017
HOME » COTIDIANO » Problemática da falta d’água se agrava na zona rural de Cajazeiras

Problemática da falta d’água se agrava na zona rural de Cajazeiras

A problemática da falta d’água continua se agravando na zona rural de Cajazeiras, exigindo cada vez a ação da administração municipal para garantir o abastecimento.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Rural do Município, Arcanjo Neto as águas do subsolo estão baixando, acabando, diminuindo a vazão da água e até mesmo secando. Mais de 10 poços já secaram, disse.

Ele informou que o último a secar foi do sítio Matuto, que abastecia 12 famílias também secou, o mesmo ocorrendo com Lagoa de Lages. Hoje, mais de 50 abastecimentos d’água são realizados por dia em Cajazeiras.

Além do caminhão pipa da Prefeitura, o Governo Federal, também desenvolve a operação pipa, cujo programa é gerenciado pelo Exército. O secretário informou que a administração projeta reativar alguns poços perfurados no passado, durante uma série crise de abastecimento da cidade

A prefeita Denise Albuquerque afirmou na segunda-feira de Carnaval, no debate da Rádio Alto Piranhas que a situação era preocupante, tendo em vista que as previsões em relação ao inverno não são animadoras.

Ela disse que já convocou o secretário de Desenvolvimento Rural e de Infraestrutura, para a retomada da perfuração de poços, em mais uma tentativa de buscar água no subsolo, mesmo sabendo que o lençol freático está baixando e a água está cada vez mais difícil.

Denise disse que é preciso que a população da cidade também se conscientize cada vez mais da importância de se economizar água, em função do pequeno volume de água do Açude de Boqueirão de Piranhas.

A prefeita também fez crítica ao Governo Federal que não resolveu essa problemática da falta d’água, citando a Transposição do São Francisco, cujas obras já deveriam ter sido concluídas. Ela lembrou por exemplo, que no primeiro momento em que a região sudeste, principalmente São Paulo teve dificuldades de água, observou a preocupação das autoridades federais e buscar saídas e alternativas para solucionar o problema, o que não ocorreu ao longo do tempo com a região Nordeste.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS

SOBRE Gazeta do Alto Piranhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *