Cajazeiras-PB, 13/12/2017
HOME » ALMANAQUE » Os chapeados de Cajazeiras

Os chapeados de Cajazeiras

chapeado
Entre as antigas profissões que no passado atendia no comércio de estivas e cereais das cidades do interior do Nordeste, a de Chapeado, talvez era a mais identificada com a cultura popular. O chapeado, carregador ou carreteiro – como era chamado popularmente, eram aqueles homens fortes que trabalhavam nos armazéns ou que ficavam nas ruas do centro de Cajazeiras, principalmente em dia de feira livre na espera de serem contratados por alguns comerciantes donos de bodegas para conduzir pesados sacos de arroz, farinha, açúcar ou feijão até o local previamente determinado.
Os chapeados pegavam no pesado e suava muito para suportar os sessenta quilos de um saco de açúcar, por exemplo. Necessitavam ter massa muscular e bastante força. Ficavam na porta ou dentro do estoque de cereais dos armazéns localizados nas principais ruas da cidade, como: a Rua Padre Manoel Mariano, Rua das Tamarinas e Padre José Tomaz; muitos sem camisas, ao sol e chuva, com chapéus arredondados na cabeça. Muitos artesanalmente feitos com metades de uma bola de futebol, cujo objetivo era amortecer o peso das mercadorias sobre a cabeça.
Para transportar as encomendas do centro para um local mais distante, usavam possantes carrinhos de mão, caracterizados por quatros rodas de madeiras revestidas com tiras de borrachas de pneus; dois feixes de molas de automóveis; um volante também de automóvel com uma barra de ferro ligada a uma trava embaixo, que conduzia dois cabos até o eixo dianteiro, fazendo girar as rodas da frente para direita ou para esquerda. Os carrinhos tinham capacidade para suportar até cento e vinte quilos ou mais.
Mas a atividade de chapeado em Cajazeiras não se restringia tão somente ao centro comercial, onde existiam os grandes armazéns como, Rio Piranhas, de Francisco Arcanjo; o da família Roberto e o Armazém Figueiredo; havia o exercício dessa atividade em outros setores da economia da cidade naquela época, distantes do centro, como os chapeados que trabalhavam carregando pesados fardos de algodão na Sambra ou na Algodoeira do Major Galdino Pires, além das firmas Abrantes S.A. e J. Matos Cia de beneficiamento de algodão.

Com o passar do tempo, a modernização da indústria e do comércio abriram espaços para novos meios de transportes de mercadorias nesses setores. Criaram-se as centrais de distribuições que substituíram os antigos armazéns. Vieram às empilhadeiras, os carrinhos de supermercados e a pronto entrega, sufocando essa popular atividade que hoje não existe mais ou passa por processos extinção; que no passado foi na cidade tão bem exercida por  pessoas humildes, como Pedão, Seu Belchior, Tião do Bairro de Capoeiras e Zezinho que  morava na tradicional Rua do Emboque.

 

DO BLOG CAJAZEIRAS DE AMOR

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *