Cajazeiras-PB, 11/12/2017
HOME » ALMANAQUE » O irrequieto Mozart Assis

O irrequieto Mozart Assis

Mozar_Assis

Certa vez, em viagem pela Europa, um ex-governador da Paraíba enviou para Mozart Assis, pioneiro radiofônico na região, um cartão com os seguintes dizeres: “Você aqui iria gostar da rapidez e seriedade como as coisas são encaradas e resolvidas, pois este é o seu estilo.” Estas singelas palavras revelam um pouco do perfil daquele que foi o responsável pela implantação da radiodifusão em Cajazeiras. Rigor, austeridade e dedicação ao trabalho eram as marcas da sua administração. Sempre criterioso e exigente em seus empreendimentos fazia do trabalho uma das suas principais motivações da vida.

Este homem procurou colocar em foco os valores e princípios que puderam engrandecer a vida de toda uma sociedade ao criar um elo de comunicação através do advento do rádio promovendo a aproximação entre pessoas – um dos pilares da comunicação humana. Não era só a oportunidades de trabalho que surgia com o nascimento do rádio na cidade, mas também uma escola informalmente necessária de novas profissões. Com o advento do rádio para Cajazeiras, diversos talentos foram revelados no campo do jornalismo. Via no rádio uma forma de conduzir o nome de Cajazeiras para outras latitudes. Como também via na música outro elemento efervescente de projeção cultural ao criar a Orquestra Manaíra, com que animava bailes e carnavais pela região.

Não esteve sozinho nestas atividades. Seu mérito emergiu da capacidade de aglutinar pessoas em torno de um ideal em uma época de adversidades estruturais e circunstanciais.

Introduziu uma programação variada para a emissora valorizando a informação com credibilidade através de um jornalismo independente e uma programação cultural regional.

Lançando um olhar sobre a história desta cidade, pode-se observar que a semente da educação plantada pelo Padre Rolim teve uma contrapartida com o impulso dos meios de comunicações iniciados por Mozart Assis.  Este binômio educação e comunicação parece ser a marca de Cajazeiras – o motor que move gerações e conduz o seu progresso.  E ao fazer isto transforma e alavanca toda uma região. O potencial e a vocação desta cidade vista pela via da educação e da comunicação têm se constituído numa fábrica geradora de ideias, de seres pensantes e determinados.

Almejava o dia em que Cajazeiras viria a ter concretizada a aspiração de possuir seu novo aeroporto, geograficamente e estrategicamente bem localizado, servido por linhas aéreas, atraindo novas possibilidades de progresso para a região, dinamizando todos os setores da sua vida cosmopolita e motivando os progressistas para novos e importantes empreendimentos. A sua luta pela construção de um novo aeroporto para Cajazeiras, deveu-se também por ter sido um pioneiro dos transportes aéreos na região. Conseguiu trazer e manter por anos, em décadas passadas, voos diários para esta cidade quando foi gerente de uma empresa aérea nacional, chegando inclusive, a empreender o primeiro voo charter do sertão, durante a construção de Brasília. Na sua última visita a Cajazeiras fez questão de ir pessoalmente até o local de construção do futuro aeroporto da cidade para conferir a sua realidade.

Lembrar de Mozart é lembrar do seu perfil extrovertido, comunicador, do seu dinamismo, do seu estilo, às vezes irreverente, e da sua inesgotável energia para gerar empreendimentos e eventos.

Era assim, atento ao seu tempo, ao cotidiano, bem informado, opinava sobre tudo, discutia ideias e sempre buscava iniciativas que visassem o crescimento e o desenvolvimento cultural, social e regional.

Lembrar da trajetória de vida de Mozart Assis é lembrar do cidadão irrequieto, que ao seu modo, reservou um lugar na história das comunicações e da cultura paraibana. Seu pioneirismo e dedicação conseguiram encravar no sertão do estado, em períodos difíceis da nossa história, duas emissoras de rádio, abrindo espaço para todas as correntes ideológicas – defendia um jornalismo imparcial.

Que o exemplo dele sirva de motivação para os que continuam a construir esta maravilhosa cidade que, acima de tudo, amou intensamente durante toda a sua vida. E que veio se despedir dela com muita alegria, lúcido e incansável até o fim, um mês antes da sua partida definitiva no dia de São João.

(*18.10.1923 – +24.06.2008)

GUTEMBERG ASSIS LIRA PARA O GAZETA DO ALTO PIRANHAS

SOBRE Gazeta do Alto Piranhas

COMENTÁRIOS

  1. rogerio

    tenho interesses sobre assuntos de Cajazeiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *