Cajazeiras-PB, 24/11/2017
HOME » COLABORADORES » [JOSÉ ANTONIO DE ALBUQUERQUE] “O bispo do Crato sai ou não sai? Eis a questão”

[JOSÉ ANTONIO DE ALBUQUERQUE] “O bispo do Crato sai ou não sai? Eis a questão”

crato_praça-da-se_divulgacao

O jornal Gazeta de Notícias, da cidade de Juazeiro do Norte na edição deste dia 15 de julho, em seu editorial, questiona a presença do bispo Dom Fernando Panico a frente da diocese do Crato. Toda esta questão está sendo analisada pelo Vaticano, depois que outro bispo, Dom Genival Saraiva de França, colheu depoimentos e elaborou um relatório para análise da Santa Sé. Vamos aguardar o desfecho do caso. Abaixo transcrevo o editorial:

“É a pergunta que mais se faz no âmbito da Diocese do Crato que abrange 57 paró­quias em vários municípios do Cariri. Essa mudança é urgen­te e necessária por vista que há uma séria de impropérios que fez os religiosos perde­rem a estima e considerações por sua igreja. No entanto o Vaticano é por demais moro­so em suas decisões, mesmo que essa demora venha em prejuízo e desgaste espiritual e moral para a igreja do papa Francisco.

O seu bispo Fernando Pa­nico não foi prudente nem cauteloso na execução de seu trabalho pastoral. Suas deci­sões, sempre unilaterais, pro­vocaram grandes desgastes e abalo na economia e principal­mente o desperdício do patri­mônio da secular Diocese do Crato. Muitos imóveis foram vendidos a preços de bagate­la, irrisórios diante do que se pratica no mercado imobiliá­rio. Atualmente a Diocese do Crato vem enfrentando sérios problemas de ordem financei­ra, caindo em falta com suas obrigações a pagar, e por con­sequência abalada moralmen­te em seu conceito de institui­ção religiosa.

Diante de todo esse des­pautério, ainda há quem du­vide dos fatos e eleve o bispo do Crato a categoria superior e proclamar ao reverendo bons atributos inexistentes e irreais.

Do cidadão Fernando Pa­nico e da própria Diocese do Crato é possível contar mais de 200 procedimentos na Justiça, uns contra e outros a favor de sua pessoa e/ou da instituição, tudo em função de abusos, desmandos, falta de compreensão e ordem em seu episcopado.

Os asseclas, seus sequazes, perseveram em contestar ver­dades e até mesmo em juízo e diante de juramento de “dizer somente a verdade,” declaram enfaticamente o que sabem ser falso.

Esta Gazeta de Notícias, um jornal voltado para o pa­triotismo, devotado à luta pelo desenvolvimento da região e alcance de uma boa qualidade de vida para sua gente, vê com aversão fatos que venham dar uma direção contrária ao bom andamento do avanço ocor­rido até então. A Diocese do Crato, através de seus quatro bispos anteriores (luzeiros da Diocese – no dizer do Padre Montenegro) e ajuda de seus fiéis, em seus 100 anos de exis­tência conseguiu regatear um acervo patrimonial não mais que suficiente para sua auto sustentação, principalmente com a renda dos aluguéis de casas e prédios, e manutenção do Seminário São José com suas obras de vocações sacer­dotais.

Por último chegou à Dio­cese do Crato, o bispo Dom Genival Saraiva de França, vindo por determinação do Papa Francisco e do núncio apostólico do Brasil, para in loco, ver as denúncias, o com­portamento de Dom Fernando, ouvir e colher depoimentos e fazer um relatório para análise do Vaticano. No entanto, Dom Genival tem sido complacente e benevolente com os fatos, fi­cando sempre na defensiva de seu colega de clerezia”.

A Diocese do Crato – A Diocese de Crato foi criada em 20 de outubro de 1914, pelo Papa Bento XV, através da bula papal Catholicae Ecclesiae, sendo desmembrada do território da Diocese do Ceará (hoje Arquidiocese de Fortaleza). Sua sede é a Catedral de Nossa Senhora da Penha no município do Crato.

Ela situa-se no extremo sul do Estado do Ceará, limitando-se com as dioceses de Iguatu (Ceará), Cajazeiras (Paraíba), Afogados da Ingazeira e Petrolina (Pernambuco), Picos (Piauí). A sede da Diocese e algumas cidades situam-se no Vale do Cariri e Chapada do Araripe (área marcada pelo verde da vegetação, solo esponjoso calcáreo, camadas superiores do sub-solo de arenito, considerável número de fontes) e sertão que a circunda.

Diocese de Cajazeiras – O povo cristão da Diocese de Cajazeiras vive a expectativa da nomeação do substituto de nosso querido Dom José Gonzalez Alonso. Vamos rezar para que o Vaticano nos envie um bom pastor e que no futuro ele não possa ser “contestado” como o do Crato.

SOBRE JOSÉ ANTONIO DE ALBUQUERQUE

JOSÉ ANTONIO DE ALBUQUERQUE

Professor e historiador, fundador do jornal Gazeta do Alto Piranhas e diretor da Rádio Alto Piranhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *