João Guimarães Jurema


joao-jurema

O cajazeirense João Guimarães Jurema teria completado cem anos no dia 25 de outubro de 2012. Filho do juiz Joaquim Victor Jurema e de Cecília Ferreira Guimarães, João Jurema estudou em Cajazeiras, Fortaleza e Recife onde concluiu o curso de direito em 1935, justo num tempo de muita efervescência política em Cajazeiras. Em 1935 houve a primeira eleição direta e secreta para prefeito, sob o controle da recém-criada Justiça Eleitoral, fruto do movimento revolucionário de 1930. Naquele pleito saiu vencedor o coronel Joaquim Matos, derrotando o médico Vital Cartaxo Rolim, filho do coronel Sabino Rolim, até então o mais poderoso e prestigiado chefe político de Cajazeiras no século 20.

A mãe de João Jurema, dona Cecília, era filha do português José Ferreira da Silva Guimarães, conhecido como Cazuza Guimarães que, sob o mando da oligarquia de Álvaro Machado, foi vereador e vice-prefeito ao lado do coronel Justino Bezerra. A Rua Coronel Guimarães lhe presta homenagem, da mesma forma que a Rua Victor Jurema. O avô materno de João Jurema era coronel político, o pai foi juiz. Pois bem, com tal ascendência e portando diploma de curso superior, numa época em que formar-se era tremendo desafio, a entrada do jovem advogado na vida pública foi inevitável. E mais, João Jurema casou em 1945 com uma neta do coronel Matos, Ilina Matos, filha de Adalgisa Matos e Aprígio Gomes de Sá.
Antes de eleger-se deputado estadual em 1947, porém, João Jurema, exerceu a profissão de advogado, presidiu o Excelsior Club por mais de um mandato e dirigiu o jornal Estado Novo, desde sua criação, em junho de 1939, até transferir a direção a Cristiano Cartaxo, em 1942 ou 1943. João Jurema concorreu à Assembleia Estadual Constituinte, em 19 de janeiro de 1947, na legenda da UDN, sendo eleito com 2.551 votos. Oitavo lugar na Paraíba e o primeiro em Cajazeiras, onde obteve mais de 1.600 votos, distante dos 904 sufrágios dados a Hildebrando Assis e dos 72 votos de Ivan Bichara Sobreira, cuja base eleitoral era Guarabira, terra de sua esposa. Aquele trio cajazeirense foi eleito na mesma eleição, fato raríssimo em nossa história política!
João Jurema teve destacada atuação como parlamentar. Vice-presidente da Assembleia, marcou presença na Comissão Constitucional como um dos relatores responsáveis pela elaboração da Constituição do Estado. Foi, todavia, seu único mandato eletivo. Com a vitória de José Américo de Almeida para governador, em 1950, ele assumiu a Secretaria das Finanças e, em 1954, foi nomeado Procurador da República, cargo que exerceu até sua aposentadoria em 1982. Nesse período foi também Procurador Eleitoral, prestando relevantes serviços no Tribunal Eleitoral da Paraíba durante 28 anos. João Jurema abraçou também o magistério, ensinando na Universidade disciplinas no campo das ciências jurídicas.
Faleceu em 11 de maio de 1995, em João Pessoa, deixando viúva Ilina Matos e os filhos Walber, Vânia, Walberto e Maria Vilma, além de vários netos. No ano de seu centenário de nascimento, familiares e amigos lhe prestam justa homenagem, como sucedeu em João Pessoa. A ela me associo com esta singela crônica, tendo na memória a lembrança guardada da infância: um cidadão, alto, sério, compenetrado, de andar macio e gestos sóbrios.
FRASSALES CARTAXO

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *