Cajazeiras-PB, 21/10/2017

Governo inova em sistema de produção de arroz vermelho

arroz-vermelho2_640x480

A Paraíba investe para manter a posição no ranking nacional de maior plantador brasileiro de arroz vermelho, cuja área é de aproximadamente 5.000 hectares (metade da área plantada no Brasil). Se depender do Governo do Estado, a marca será atingida, tendo em vista os investimentos realizados pelo Projeto Cooperar, em parceria com o Banco Mundial, destinando mais de R$ 1 milhão à implantação de oito unidades demonstrativas da cultura no Vale do Piancó, em fase final da colheita até a próxima semana e com a previsão de atingir 72 toneladas.

As unidades demonstrativas também chamadas de ‘lavouras da salvação’ (opção de cultivo com equipamentos de irrigação na falta de chuvas) foram implantadas nos municípios de Pedra Branca, Nova Olinda, Curral Velho, Santana dos Garrotes e Itaporanga e estão beneficiando diretamente 133 famílias de produtores da agricultura familiar, cuja maioria explora as lavouras em sistema de consórcio com outras culturas como o milho, feijão, entre outros.

Segundo o coordenador do Projeto Cooperar, Roberto Vital, o apoio do Governo do Estado, por meio do Cooperar, mediante instalação de unidades demonstrativas, precedidas de programação sistemática de capacitação e mediante disponibilidade de infraestrutura básica e operacional, ratifica a disposição do Governo em contribuir no processo de resgate e consolidação do arroz vermelho como atividade econômica para o Vale do Piancó. “No próximo contrato do Governo com o Banco Mundial esta será uma atividade prioritária no atendimento desse tipo de demanda,” frisou.

 

Para o agricultor Adeildo Mendes da Silva, da comunidade Saco da Pedra, zona rural de Nova Olinda, com os recursos do Cooperar foi possível instalar um poço artesiano, adquirir kits de irrigação e equipamentos fundamentais à colheita e beneficiamento do arroz vermelho. Ele tem a previsão de atingir a produção de 2,4 toneladas e faz planos de vendê-la para o município de Itaporanga.

“No ano passado, não tinha água nem para dar o gado. A gente tinha que puxar lata do cacimbão e levar os animais pra cima e pra baixo. Aqui nós só temos a opção de trabalhar na roça. Tem que viver da agricultura. Para quem não tinha nada, a ajuda do Governo é tudo. Aqui o Cooperar tem ajudado a muita gente. Há três anos não conseguia tirar nada da agricultura. Agora vai ser diferente”, disse Adeildo Mendes.

O agricultor de Nova Olinda deverá ter um lucro de 140% com o cultivo do arroz vermelho, pois investiu R$ 2,5 mil e espera atingir um faturamento de R$ 6 mil. “Esse ano foi bom demais!”, comemorou.

Cultivar arroz vermelho no Brasil tem sido um desafio: de um lado, a falta de hábito dos consumidores, e por outro, a forte influência exercida pela indústria do arroz branco. Mas a resistência tem sido uma característica marcante da maioria dos agricultores familiares que vive no Semiárido Nordestino superando os obstáculos das adversidades climáticas e buscando apoios institucionais, como na Paraíba, os incentivos governamentais para alavancar a cultura.

Segundo o especialista em fitotecnia do arroz e pesquisador da Embrapa Meio Norte, José Almeida Pereira, o arroz vermelho ainda é muito pouco conhecido fora dos Estados da Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia e Ceará, cuja produção deve chegar a 20 mil toneladas anuais, e é no Nordeste que a cultura abriga o maior plantador, especialmente no Vale do Piancó na Paraíba, e o maior produtor no Vale do Apodi no Rio Grande do Norte. “A produtividade nacional é difícil de se saber, mas a da Paraíba é de cerca de 1000 kg/hectare, enquanto a do vizinho Rio Grande do Norte chega aos 3000 kg/hectare”, acrescentou.

 

José Almeida informou que o arroz vermelho também está sendo produzido no Vale do Paraíba (SP) e em Santa Catarina, mas são variedades diferentes. O que os tornam diferentes do produto da Paraíba, porém, além das variedades, são as formas como são beneficiadas. No caso do arroz nordestino, o produto final é historicamente comercializado e consumido na forma semi-integral, enquanto o produto oriundo de São Paulo e Santa Catarina é disponibilizado na forma integral. E, nesse sentido, o arroz vermelho integral é um produto inteiramente novo no mercado nacional.

Rico em ferro e zinco – O pesquisador da Embrapa Meio Norte ainda disse que a forma semi-integral contém menor valor nutricional do que a forma integral, mas não é por isso que o arroz vermelho detém a preferência dos consumidores nordestinos. A principal razão da preferência é o sabor, além disso, o arroz integral (seja vermelho ou branco) requer mais tempo e energia para ser cozido. “Em termos de valor proteico, não existem dados comparativos. Mas, quanto aos elementos químicos essenciais como o ferro e zinco, as pesquisas indicam que o arroz vermelho, em geral, é mais rico do que o arroz branco”, destacou.

José Almeida Pereira informou que a metodologia de Unidades Demonstrativas é uma das mais recomendáveis em se tratando de estratégias visando à melhoria dos sistemas de produção. Todavia, é imprescindível a seleção das localidades e dos agricultores dispostos a inovar e a modernizar os processos produtivos.

SECOM-PB

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *