O LEGADO DE ÍRACLES PIRES


correio-das-artes-ica80_417x600

Um dos mais importantes capítulos da história do teatro, na Paraíba, tem como cenário o município de Cajazeiras, no Alto Sertão. A tradição daquela cidade, no campo da educação e cultura, se traduz na frase que a tornou célebre e a imortalizou: “Terra que ensinou a Paraíba a ler”.

A tradição cênica de Cajazeiras consolidou-se pela atuação de grupos teatrais, de que são exemplos Os Romeiros do Futuro, Teatro de Amadores de Cajazeiras (TAC), Moderna Equipe de Teatro Amador de Cajazeiras (Metac), Grupo Boiada, Grupo de Teatro Amador de Cajazeiras (Grutac) e Grupo Terra.

Entre os construtores do teatro cajazeirense, destacam-se, entre outros, Hildebrando Assis, Íracles Pires, Chico Cardoso, Tarcísio Siqueira, Gutemberg Cardoso, Geraldo Ludgero, Ubiratan de Assis, Eliézer Filho, Marcélia Cartaxo e a “tríade lírica” formada pelos atores Buda, Soia e Nanego Lira.

Há muito mais gente nessa história e o espaço ficaria pequeno para citar todos os que edificaram o teatro em Cajazeiras. De qualquer modo não poder ser esquecidos Laci Nogueira, Ju Coelho, Auxiliadora Braga, Jocélio Amaro, Aguinaldo Cardoso, Beethoven Dantas, Sílvia Siqueira e Rosângela Alencar.

O Correio das Artes destaca o fazer teatral em Cajazeiras, trazendo como homenagem maior uma série de artigos sobre a atriz e diretora teatral, radialista, animadora e gestora cultural Íracles Brocos Pires, que faleceu no dia 9 de março de 1979 em acidente automobilístico na cidade de Jequié (BA).

Chico Cardoso abre a panorâmica sobre a história do teatro em Cajazeiras e Soia Lira, Marcélia Cartaxo e Eliézer Filho relebram os primeiros passos nas artes cênicas, na “Terra do Padre Rolim”. Já Nonato Guedes, Alarico Correia Neto, Jeanne e Saulo Pires figuram entre os que escrevem sobre Íracles Pires.

LEIA MAIS:

Épocas cênicas: ‘ser ou não ser’ em Cajazeiras, por Chico Cardoso

Íracles, a grande dama do teatro, por Nonato Guedes

Meus encontros com Ica…, por Ubiratan di Assis

Uma voz que se calou, por Rosilda Cartaxo

Íracles Pires: a mestra de todos nós, por Chico Cardoso

A cidade centenária, por Chico Rolim

Um tempo sem datas, por Alarico Correia Neto

O nosso teatro, por Íracles Pires

Cajazeiras, meu humor, por Cristovam Tadeu

Ica na cabeça, por Buda Lira

Um teatro para Cajazeiras, por Hildebrando Assis

Sobre Íracles: mentes abertas e olhar crítico, por Jeanne Pires

Íracles Pires: 80 anos, por Pepé Pires Ferreira

CORREIO DAS ARTES - ANO LXIV - Nº 7 - SETEMBRO/2013

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *