Cajazeiras-PB, 18/11/2017
HOME » PARAÍBA » Cagepa e CNEC estão entre as 1.000 maiores do Brasil

Cagepa e CNEC estão entre as 1.000 maiores do Brasil

CAGEPA2_800x530

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) e a Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC) são as duas únicas empresas paraibanas a aparecerem no ranking ‘Valor 1000’, elaborado pelo jornal Valor Econômico, que mostra os resultados contábeis e financeiros das mil maiores empresas brasileiras. A Cagepa caiu da posição 772º para 779º entre 2012 e 2013; já a CNEC, que não apareceu na lista anterior, ficou situada na colocação 989. O ranking foi elaborado a partir de demonstrações contábeis das companhias e utilizou 22 indicadores para classificar as empresas.

A empresa de saneamento também figura como a 18ª na categoria “Água e Saneamento”, que elenca 21 companhias nacionais. Já a CNEC é a última na categoria “Educação e Ensino”, entre 19 empresas. O grupo educacional tem unidades na Paraíba e CNPJ cadastrado no Estado, porém a administração central funciona em Brasília. A CNEC foi fundada em Recife pelo paraibano Felipe Tiago Gomes, natural de Picuí, quando ele estudava na capital pernambucana, no ano de 1943. A situação cadastral mostra a Paraíba como sede desde 1969.

RESULTADOS
A Cagepa teve uma receita líquida em 2013 de R$ 471,6 milhões, uma variação positiva de 8,5% em 2013, comparado ao ano anterior. Segundo o presidente da Cagepa, Deusdete Queiroga, vários fatores contribuíram para este desempenho, entre eles o crescimento vegetativo da população, reajuste anual da tarifa e redução de perdas. “De 2011 até agora instalamos 280 mil novos hidrômetros e a empresa vem melhorando nos últimos anos”, frisou. Segundo ele, a receita bruta da Cagepa em 2010 foi R$ 390 milhões, em 2011 subiu para R$ 440 milhões, em 2012 foi para R$ 504 milhões e no ano passado para R$ 549 milhões.

O Valor Econômico mostrou ainda que o lucro líquido da fornecedora de água ficou no vermelho, com queda de R$ 5,6 milhões, uma oscilação de 2,1% no ano passado em relação a 2012. De acordo com Deusdete Queiroga, uma das principais preocupações da companhia são os gastos com pessoal, cujo peso na despesa total na distribuidora de água é de 50%, além da inadimplência que fica em torno de 7%. Atualmente a Cagepa possui 3.400 funcionários segundo Queiroga.

Ele lembrou que em 2012 mais de 100 ações foram impetradas na Justiça na cobrança do pagamento de água de grandes empresas e prefeituras paraibanas que somavam mais de R$ 100 milhões. “Cerca de 20% das prefeituras municipais devedoras e empresas nos procuraram para renegociar dívidas”, enfocou.

O Valor 1000 trouxe ainda que o lucro da atividade da companhia registrou prejuízo de R$ 14,4 milhões, enquanto o financeiro também ficou negativo em R$ 21,4 milhões. Um dos problemas mais graves da companhia é a longa lista de clientes devedores, que abrange prefeituras, instituições, órgãos e empresas com débitos que chegam a mais de R$ 30 milhões.

Apesar de a receita líquida da Cagepa ter aumentado 8,5% na comparação com o ano anterior, o lucro obtido antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) teve retração de 33,6%, fechando o ano com R$ 44,8 milhões. Os ativos da Cagepa somavam R$ 1,131 bilhão ao final de 2013. O nível de endividamento geral é de 78%, enquanto o endividamento oneroso – que mede a participação das dívidas que geram despesas financeiras em relação ao total dos ativos – é de 21,7%.

A CNEC, por sua vez, só teve prejuízo no lucro financeiro, que é obtido a partir de rendimentos das aplicações, de R$ 10,1 milhões. O lucro líquido foi de R$ 8,4 milhões, e o lucro da atividade ficou em R$ 14,5 milhões. A Campanha soma um total de ativos no valor de R$ 581 milhões e um patrimônio líquido de R$ 395,3 milhões. O endividamento geral é de 47%, e o endividamento oneroso chega a R$ 28,6%. A receita líquida em 2013 foi de 334,6 milhões, 13,8% superior ao apurado no ano anterior

REAJUSTE
Deusdete Queiroga afirmou que até dezembro deverá vir o reajuste anual de água. Para o aumento, vários fatores são levados em conta, como gastos com pessoal, insumo e reajuste da energia elétrica.

JORNAL DA PARAÍBA

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *