Cajazeiras-PB, 18/11/2017
HOME » CAJAZEIRAS » A Faisqueira do Gazeta

A Faisqueira do Gazeta

cassio-close

Inimaginável – Pode até não ser, mas parece uma idéia de jerico, uma informação que chegou aos ouvidos dos arquitetos de Cajazeiras que as calçadas da Rua Padre Rolim seriam diminuídas na sua largura para dar vez aos carros. Isto só pode ser fofoca.

Inimaginável 2 – Vale lembrar que as tradicionais calçadas da Padre Rolim fazem parte do patrimônio histórico de Cajazeiras e são tombadas pelo órgão estadual. Enquanto em outras cidades estão reduzindo os espaços dos veículos para favorecer aos pedestres, não é possível que Cajazeiras agora vá andar na contramão da história. Seria bem mais interessante transformar a rua numa grande área de lazer, iguais as que existem em Curitiba.

Pegando passarinho – Suplente e pré-candidato a vereador, em Cajazeiras, foi visto em pleno domingo com uma gaiola na mão pra pegar passarinho. Este cidadão deveria está atrás era de voto, porque além de correr o risco de ser pego pelo Ibama  ir pro xilindró e ser processado, perdia também o direito de ser candidato.

Jogando bola – O ex-vereador cajazeirense, Chico de Bianor, agora é empresário do setor de esportes: construiu um campo de futebol soçaite, O Bianozão, para alegrar a galera da Zona Norte da cidade. Chico que deverá disputar mais uma vez a vaga de vereador, deveria correr também atrás de voto, não de bola, que é uma bichinha tão difícil de ser dominada como o eleitor.

Prostituição em alta – As profissionais da mais antiga profissão da humanidade foram incluídas nos quadros da Petrobras, sem concurso público, para prestarem serviços aos diretores da Petrobrás e aos políticos, com cachês de fazer inveja aos ministros do Supremo Tribunal Federal.

Prostituição em alta 2 – É por isto que já tem professoras e jornalistas abandonando as salas de aula e as redações para se tornarem garotas de programa, que por única “noitada” faturam mais do que em um ano de trabalho, com apenas um detalhe, não se cansam:  trabalham deitadas. Este país está se tornando um grande cabaré, tendo como cafetinas a maioria da classe política. Oh céus!

Cássio e Cajazeiras – O senador Cássio da Cunha Lima vem defendendo o nome do deputado estadual José Aldemir como seu candidato a prefeito de Cajazeiras e o fato mais relevante, depois de uma “briga” entre o mesmo e Fabiano Gomes pelo comando do PSDB, diretório de Cajazeiras, Zé Aldemir foi quem ganhou, comprova a sua preferência.

Cássio e Cajazeiras 2 – Mesmo sendo alimentado por Cássio, Zé Aldemir, segundo alguns amigos mais próximos, dificilmente seria candidato a prefeito de Cajazeiras e que estaria sendo “costurado” nos bastidores um acordo para o mesmo indicar o vice de Denise. A vereadora Léa Silva, por outro lado, vem “cozinhando” Zé Aldemir para fazer parte da base aliada de Ricardo na Assembléia Legislativa. Seria impossível? Em política tudo é possível.

Sem oposição – O governador Ricardo Coutinho está praticamente sem uma voz forte de oposição em Cajazeiras, desde que o ex-deputado Antonio Vituriano de Abreu deixou de apresentar o seu programa semanal, transmitido por várias emissoras de Cajazeiras. O programa que tinha duas horas de duração, sistematicamente, se destinava a “descer o cacete” no governo do estado. Vituriano ainda é o candidato mais forte das oposições para concorrer a prefeitura de Cajazeiras em 2016.

Boataria – As “estórias” que circulam pelas esquinas e mesas de bares, a respeito da “operação Andaime” realizada pela policia federal, em Cajazeiras e outras cidades da região, não chegam a ser nem um por cento verdadeiras. Uma delas chega ao limite do absurdo: uma banca de advogados do Recife/João Pessoa teria cobrado um milhão de reais só para atender um único cliente. Estariam baseados nas informações que os “desvios” teriam sido de 18 milhões de reais. Esta deve ser mais uma das mentiras cabeludas criadas pelas mentes férteis dos desocupados de plantão.

Denise arrocha o nó – A prefeita Denise, nos últimos dias, tem “apertado” a sua equipe de auxiliares, mais do que cana piojota em moenda puxada a boi, além de cobrar mais empenho nas ações, orientou-a para não deixar nenhum discurso das oposições sem um contra-ponto. Até Carlos Antonio foi “convocado” para ajudar a tanger e apressar os bois para aumentar o caldo, ou em outras palavras: o número de votos para 2016.

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *