Cajazeiras-PB, 21/10/2017

TJPB decide aposentar juiz preso em operação da Polícia Federal

juiz-preso
O Pleno do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) aplicou, por unanimidade, a pena máxima ao magistrado José Edvaldo Albuquerque de Lima, com a aposentadoria compulsória, com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço. A Corte julgou procedente os dois processos administrativos disciplinares contra o magistrado. As ações foram apreciadas na manhã desta quarta-feira (3), cabendo a relatoria do feito o desembargador Fred Coutinho.

No voto, o relator informa que, no presente caso, “José Edvaldo, na sua atividade jurisdicional, mostrou-se não apenas manifestamente negligente no cumprimento de seus deveres, atuando de forma incompatível com a dignidade, honra e decoro das funções, como apresentou comportamento funcional incompatível com o bom desempenho das atividades do Poder Judiciário, sobretudo, na titularidade do segundo juizado especial misto de Mangabeira”.

A decisão do relator fui fundamentada nos termos do Artigo 42, inciso V , da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), juntamente com o Artigo 153, inciso V, da Lei de Organização e Divisão Judiciárias da Paraíba (Loje), bem como o Artigo 3º, inciso V, da Resolução nº 135/2011 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O processo será encaminhado ao Ministério Público, para que o mesmo se pronuncie se há possibilidade de avaliação de eventual cabimento de propositura de ação por ato de improbidade administrativa.

Com respeito a ação criminal que tramita no Tribunal de Justiça, o desembargador Joás de Brito Pereira Filho ressaltou que a mesma ainda será apreciada pela Corte.

O TJPB havia publicado duas portarias que instauram procedimentos administrativos disciplinares contra o juiz José Edvaldo. Neste sentido, coube ao corregedor-geral de Justiça (CGJ), desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, os relatórios iniciais.

Ainda na Corregedoria, tramitaram cinco procedimentos administrativos contra José Edvaldo, devido a denúncias que apontam práticas de desvios de conduta funcional por parte do juiz, quando então titular do 2º Juizado Especial de Mangabeira, da Capital.

PB AGORA

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *