[RAFAEL HOLANDA] 2017


Nos primeiros momentos deste novo ano não procurei esperanças, apenas mergulhei num universo de saudades para procurar nos brindes do passado o que de bom se fez naqueles momentos. Havia neste instante um passar de um filme rápido, mas cheio de uma essência de amor em que num abraço sem igual eu beijava meus país e agradecia a Deus por tudo.

É bom começar o ano visualizando pessoas que nos foram sagradas, que embelezaram os nossos dias e com suas mãos sempre atentas impediam as nossas quedas. E os que perderam seus filhos? Como se sentiram numa ampla sala com tanta gente e neste instante se sentirem num mundo do nada onde a esperança seria nada e o nada se tornou companhia.Deus nos entrega o cobertor conforme o frio, mas o tempo que divide o ano em dias justamente par amenizar saudades que não se pesam, esperanças que não retornam.

É Um dia sem igual no qual a tinta entregue ao pintor vai depender de suas angústias, nele cada um busca escrever suas canções onde o solo é capaz de mergulhar em poços profundos e escuros. Os doentes buscam no pipocar dos fogos jogarem suas palavras para com o suavizar da fumaça se coloque de forma mansa ao colo do Senhor.

Feliz ano novo e que sejamos sempre forte para enfrentar distâncias ao ouvir o gemido da dor, sejamos sempre atentos às manobras da maldade, as coisas que ferem e chocam, pois para o mal a mudança de ano é apenas uma opção.

Previous Saiba quais são as previsões dos números, cartas e búzios para 2017 na Paraíba
Next [REUDESMAN LOPES] A nossa retrospectiva 2016

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *