Cajazeiras-PB, 22/10/2017

Projeto São Francisco gera emprego e renda a moradores

transpo-trab

Obras do projeto aumentam o índice de empregabilidade por onde passam, atraindo trabalhadores de volta aos seus estados de origem.O Projeto de Integração do Rio São Francisco também é geração de emprego e renda para a região por onde as obras passam.

Até maio de 2014, o projeto contabiliza um efetivo de 10.394 trabalhadores atuando ao longo dos 477 km de extensão das obras. Boa parte do efetivo é formada por moradores da região ou que voltaram para seus estados de origem para trabalhar.

Em um ano, o Ministério da Integração Nacional reforçou em mais de 50% as atividades na obra do São Francisco.

É o caso de Hugo Gomes da Silva, que há três anos voltou para Pernambuco, depois de uma temporada como motorista em São Paulo, e encontrou emprego nas obras.

“Fazer parte dessa obra é um benefício à nossa cidade e regiões circunvizinhas. Ganho hoje 50% mais que em São Paulo e com o custo de vida menor também posso ajudar minha família, meus pais e minha esposa”, comemora o trabalhador.

O Projeto de Integração do Rio São Francisco é a mais importante iniciativa do governo federal dentro da Política Nacional de Recursos Hídricos. A obra beneficiará uma população estimada de 12 milhões de habitantes, em 390 municípios nos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, além de gerar emprego e promover a inclusão social.

João Paulo Monteiro tem 29 anos e divide com outros dois irmãos mais velhos as despesas de uma família com oito filhos. Em Brejo Santo, no Ceará, João Paulo vivia de serviços temporários e não tinha a garantia de salário fixo, carteira assinada e todos os benefícios trabalhistas. Há um ano e dois meses ele passou a integrar o efetivo de operários que atua no Projeto de Integração do Rio São Francisco.

“Tenho salário certinho e mais uma série de vantagens”, disse, salientando que continua a ajudar nas despesas e ainda consegue fazer uma reserva financeira.

O empreendimento garantirá o abastecimento de água desde grandes centros urbanos da região – Fortaleza (CE), Juazeiro do Norte (CE), Crato (CE), Mossoró (RN), Campina Grande (PB), Caruaru (PE) -, até centenas de pequenas e médias cidades inseridas no semiárido e de áreas do interior do Nordeste, priorizando a política de desenvolvimento regional sustentável.

Ao longo de todo o empreendimento existem aproximadamente 3.221 máquinas em operação.

ASCOM

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *