Projeto de reflorestamento na PB intensifica a produção e plantio de árvores nativas


O Projeto de Reflorestamento do Olho d’Água da Bica do Centro de Educação e Saúde (CES), da Universidade Federal de Campina Grande, criado há dois anos, continua expandindo as atividades através da pesquisa, produção de mudas e plantio de árvores nativas nas imediações e dependências do campus localizado no município de Cuité, no Agreste da Paraíba, a 235 km de João Pessoa. Os trabalhos ganharam impulso após a instalação da nova casa de vegetação/estufa agrícola em abril deste ano.

Na última semana, foi realizado um trabalho de semeadura do Pau-Brasil (Caesalpinia enchicata) – espécie que se encontra em risco de extinção desde o período colonial do país. Foram semeadas 100 sementes em sacos apropriados para a produção de mudas, as quais foram acondicionadas na nova estufa.

As sementes são coletadas, catalogadas, acondicionadas em laboratório e, em seguida, é feito um reconhecimento das áreas do Centro e do Horto Florestal (Olho d’Água da Bica), onde se pretende plantar.

Outras espécies estão sendo desenvolvidas no campus universitário, a exemplo do Jatobá (Hymenaeae courbari); Craibeira (Tabebuia aurea); Umbu (Spondias tuberosa); Mulungu (Erythrina velutina); Jucá (Caesalpinea ferrea ); Barriguda (Ceiba glaziovii); Angico (Anadenanthera falcata); Tambor (Enterolobium contortisiliqum); Pereiro (Aspidosperma pyrifolium) e Cumaru (Dipteryx odorata ).

Para ajudar no desenvolvimento das plantas, a equipe de reflorestamento também realiza o transplante de algumas mudas na área do horto florestal do CES e a limpeza de algumas já transplantadas. A ação visa compensar a perda no desenvolvimento inferior daquelas mudas devido às condições ambientais e o baixo regime de chuvas na localidade.

As atividades de reflorestamento na área do campus de Cuité são coordenadas pelos professores Carlos Alberto Garcia e Kidelman Dantas.

Um grupo de estudantes e professores também atua realizando o preparo de material orgânico vegetal proveniente do Restaurante Universitário do CES. O trabalho consiste no aproveitamento de restos de vegetais como cascas de verduras e frutas para o preparo de compostos e substratos orgânicos, ricos em nutrientes, para ser utilizados nas atividades de produção de mudas para reflorestamento e adubação das demais plantas distribuídas ao longo do campus.

reflorestamento

Previous [FRASSALES CARTAXO] Eleição: tudo junto e misturado
Next Jeová Campos renuncia à presidência da Frente Parlamentar das Águas da ALPB mas diz que não vai abandonar a causa, nem a luta

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *