Cajazeiras-PB, 18/11/2017
HOME » CAJAZEIRAS » Justiça Federal determina posse imediata de Antônio Fernandes na direção do Campus da UFCG em Cajazeiras

Justiça Federal determina posse imediata de Antônio Fernandes na direção do Campus da UFCG em Cajazeiras

professor-antonio-fernandes-va

A Juíza da 8ª Vara Federal da cidade de Sousa – PB, Dra. Moniky Mayara Costa Fonseca, julgou procedente o mérito no Mandado de Segurança impetrado pelos Professores Dr. Antônio Fernandes e Dr. Carlos Davidson Pinheiro, que requeriam em suma a deferência dos votos de uma professora e de um servidor técnico administrativo, que detinham a possibilidade de mudança no resultado final das eleições no campus da UFCG em Cajazeiras.

A justiça, em julgado a um Agravo de Instrumento, já havia determinado liminarmente a contagem dos votos, alterando o resultado final da eleição, passando a chapa encabeçada por Antônio Fernandes a figurar com maioria de 50,04% dos votos válidos.

Na decisão final, a Magistrada Federal validou os votos que estavam sub judice e que foram contabilizados após grande celeuma, e, determinou a posse imediata, em até 10 dias, da chapa vencedora. Com a posse de Antônio Fernandes, resolve-se o impasse que existia acerca dos destinos relacionados à direção do campus de Cajazeiras, que está sendo conduzido interinamente pelo professor Aluísio Rodrigues, assegurando a ampla perspectiva de consolidação de alguns projetos importantes, a exemplo da construção do novo hospital universitário de Cajazeiras.

O reitor Edilson Amorim, tentou recentemente resolver de forma amigável o impasse entre as duas chapas, não logrando êxito. Ele estará hoje (29) em Cajazeiras, em reunião no próprio CFP, e, por ser ato discricionário do reitor, poderá realizar a posse imediata do professor Antônio Fernandes.

Da decisão cabe recurso que, inclusive, já foi protocolado, mas dificilmente terá o condão de impedir a posse de Antônio Fernandes, já que o recurso, via de regra, não possui efeito suspensivo, conforme explicação dada pelos Advogados de Antônio Fernandes, Jone Pereira e Junior Bento.

Veja trecho da sentença abaixo: 

(…) 3. DISPOSITIVO Ante o exposto, CONCEDO A SEGURANÇA pleiteada, nos termos do art. 269, inciso I, do CPC, ratificando a liminar concedida e declarando a validade do voto da docente Elvira Alves Teixeira e do servidor técnico Marcelo José Pinheiro, alterando, assim, o resultado das eleições, passando a ser vencedora a chapa CFP MAIS – (CONSTRUIR, FORTALECER, PRODUZIR), com 50,04% dos votos, nos termos do cômputo dos votos realizado na 2ª Reunião Extraordinária pela Mesa Apuradora de votos, no dia 06/02/2014. Intime-se a autoridade impetrada para, em 10 (dez) dias, comprovar o cumprimento da segurança concedida. Ante a sucumbência total dos impetrados, condeno-os a restituir os impetrantes as custas antecipadas (identificador 4058202.100876) Sem condenação em honorários advocatícios em virtude do disposto no art. 25 da Lei n.º 12.016/09. Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatório (art. 14, § 1º da Lei n.º 12.016/2009). Publique-se. Registre-se. Intime-se.   MONIKY MAYARA COSTA FONSECA Juíza Federal da 8ª Vara/SJPB

JORNAL DA PARAÍBA

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *