Cajazeiras-PB, 21/10/2017

Justiça absolve ex-prefeito de Cajazeiras por falta de provas

A Justiça absolveu o ex-prefeito de Cajazeiras Carlos Antônio da acusação de desvio de recursos públicos, crime previsto no artigo 1º, inciso I, do Decreto-Lei nº 201/67.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o desvio teria ocorrido na execução do Convênio nº 2003/2001, no qual foram repassadas pelo Ministério da Integração Nacional verbas para a construção de 100 casas e a perfuração/instalação de 30 poços no município de Cajazeiras.

A acusação é de que os valores foram parcialmente desviados, haja vista que peritos criminais federais emitiram Laudo atestando que só foram construídas 90 casas com área de 31,08m2, enquanto a previsão eram 100 unidades com área de 39,68m2, deixando de ser aplicada a quantia de R$ 167.229,78, o que seria suficiente para construir mais 29 unidades habitacionais completas.

A denúncia aponta também que teria havido direcionamento da licitação, uma vez que, como a contratação seria por empreitada sob a forma de menor preço global, inúmeras variáveis haveriam de ser consideradas para elaboração dos cálculos da proposta.

Ao proferir a sentença, o juiz Marcos Antonio Mendes de Araújo Filho, da 8ª Vara Federal, destacou não ter ficado comprovado nos autos o desvio de recursos. “Diante de todo o arcabouço probatório produzido, não vislumbro que o então prefeito tenha tido o dolo, ou seja, vontade livre e consciente de desviar e nem muito menos de se apropriar dos recursos públicos em proveito alheio”.

OS GUEDES

SOBRE Christiano Moura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *