Cajazeiras-PB, 24/10/2017

Socialismo Cristão: Círculo Operário de Cajazeiras

Quando se fala em Revolução Russa, os historiadores menos avisados costumam reportar-se aos fatos datados de 1917. A título de informação e esclarecimento aos neófitos na referida matéria, a revolução começou, na realidade em 1905, com um conjunto de manifestações populares que tomaram conta da Rússia, em função do descontentamento dos camponeses, do emergente proletariado industrial, dos oficiais de baixa patente das Forças Armadas, dos políticos e deputados frustrados, das minorias religiosas, que se sentiam oprimidos pelo poder dominante do czar Nicolau II e sua corte.

Certamente, a perda da Guerra Russo-Japonesa aumentou ainda mais a crise que fez a Revolução de 1905 descambar para a Revolução de 1917, esta agravada pelo fraco desempenho russo no enfrentamento com os alemães na I Guerra Mundial. Portanto, foram “duas” revoluções, em cuja primeira foi formado em gabinete presidencial chefiado por Kerensky; com relação à segunda revolução, mais conhecida como revolução bolchevique, depois comunista, esta foi encabeçada pelas ideias de Karl Marx e teve como seu líder Vladimir Lenin, com o apoio de Leon Trotsky e de Joseph Stalin, seus futuros desafetos.

No final, toda a família Romanov – Alexandre (czar), Alexandra (czarina), as filhas Olga, Tatiana, Maria e Anastácia, além do herdeiro Alexei (com apenas onze anos) foram todos fuzilados, a mando de Lenin, no sótão de uma casa/prisão em Ekaterinburg, a uma e meia de uma sombria madrugada de uma quarta-feira, do dia 17 de julho de 1918,  mesmo depois de o czar e o herdeiro haverem renunciado ao trono.

Curioso, o leitor haverá de perguntar: e o que isso tem a ver com o nosso Portal da Memória e com a nossa Cajazeiras? A resposta é simples, direta e elucidativa. É que, no Brasil, a Igreja Católica, por essa época, começava a se preocupar com a expansão do comunismo, via ideias socialistas. E aí, entre 1915 e 1932, começam a aparecer os primeiros Círculos Operários, o primeiro, no Ceará – Círculo Operário de Trabalhadores Católicos – e o segundo, no Rio Grande do Sul – Círculo Operário Católico –, ambos sob uma forte influência do catolicismo vigente na época, embora o país já fosse laico.

Em nossa terra, foi Dom Moisés Coelho, então Bispo Diocesano, que deu impulso à ideia e às atividades implementadoras do nosso Círculo Operário de Cajazeiras, é óbvio que com doutrinação predominantemente católica, visando manter nos operários citadinos um comportamento social diferenciado, oferecendo-lhes, além de alfabetização, uma doutrinação que os afastasse de ideias socialistas com vínculo comunista.

O nosso Círculo Operário foi, então, edificado no mesmo local onde hoje ainda se encontra, na Rua Pedro Américo, por detrás do conhecido Prédio de São Vicente, antigo habitat das Irmãs Carmelitas. Sua construção e fundação oficial datam de 26 de junho (ou 31 de maio – há divergências) de 1925 e, hoje, proporciona aos associados atividades ligadas à assistência social, médica, dentária e farmacêutica. Obtive informações de que, hoje, o espaço ocupado pelo Círculo recebe o nome de Espaço Empresarial Francisco Arcanjo de Albuquerque, certamente em homenagem a um dos seus sócios mais antigos, o nosso amigo Seu Arcanjo.

SOBRE FRANCELINO SOARES

FRANCELINO SOARES
Professor e apresentador na Rádio CBN João Pessoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *