[FRANCELINO SOARES] Perfil de João Guimarães Jurema (parte 1)


joao-jurema_436x600

Quando eu o conheci, ele já não mais residia em Cajazeiras. Havia rumado para a Capital em função de suas múltiplas atividades, sobretudo de natureza política e administrativa, que passou a exercê-las junto a vários governos do nosso Estado.

Envaideço-me de, apesar da diferença etária, haver desfrutado de sua atenção e amizade, o que era comprovado, mormente, em conversas que mantínhamos no Ponto de Cem Reis, mais precisamente, nas calçadas do Paraíba Palace Hotel.

Antes, era hábito de João Jurema manter boas conversas, sempre aos sábados, com os amigos, o que ocorria na firma Carvalho Dutra – Antônio Dutra, um dos sócios do empreendimento comercial, era seu cunhado – localizada na Praça Aristides Lobo, já bem do suntuoso edifício dos Correios e Telégrafos (DCT), hoje sede da Prefeitura Municipal de João Pessoa.

Ali, lembro-me bem, fazia parte desses encontros os seus amigos da época, Alcindo Xavier e Antônio Moreira, além, evidentemente, do titular da aludida firma comercial. Depois é que os encontros passaram a ocorrer no Ponto de Cem Réis, quando se juntaram ao grupo os nossos amigos comuns Félix Jácome e Moacir Amaral.

Ainda hoje fico me questionando por que eu, apenas um garoto, em plena adolescência, era ouvido por aqueles respeitáveis cidadãos, e com quanta atenção eu os ouvia. E a resposta sempre parece me vir clara e emocionante: é que ali se falava sempre de pessoas, coisas, fatos e saudades de nossa terra comum.

Posteriormente, eu, já mais “maduro”, gostava de parar na calçada de sua residência, na Rua Quintino Bocaiuva, artéria em que também morava, para lhe dar um afetuoso “Bom-dia!”. Lembro-me, inclusive, de que a minha esposa havia ministrado aulas de piano a suas duas filha, Vilma e Vânia.

Dr. João era o quinto filho do Juiz de Direito Joaquim Victor Jurema (hoje nome de rua, em Cajazeiras) e de Cecília Guimarães Jurema. Dentre seus irmãos, além do Dr. Otacílio Jurema, Senador da República – como suplente de João Arruda – num tempo em que o suplente também tinha que ser votado, prefeito de Cajazeiras por três mandatos e que exerceu a Medicina por muito tempo, sempre no Hospital Regional de Cajazeiras e no seu consultório, ali na Rua Tenente Sabino; há ainda o Dr. José Jurema, que optou por também praticar a Medicina na cidade de Campina Grande; suas irmãs: Maria e Alice Guimarães Jurema, que se dedicaram às atividades do lar; Eunice e Alzira, que se formaram como normalistas, no tradicional e querido Colégio N.S. de Lourdes, no tempo das irmãs Doroteias.

Dr. João, como eu o tratava, era um homem simples e bondoso que gostava de ouvir os seus interlocutores apesar de, por esses tempos, não necessitar mais de votos… Era ele um homem elegante e atencioso, cujas atitudes sempre o faziam respeitado.

Lembro-me bem de que, em proximidades de um exame Vestibular, cheguei a ministrar aulas ao seu filho Walberto, orientando-o para aquele mister. Dr. João casou-se (1945) com uma outra conterrânea, filha de família tradicional cajazeirense/cajazeirada, Profª. Ilina Matos de Sá, com quem viveu harmoniosamente durante sessenta anos. Do enlace, nasceram os seus quatro filhos: Wálber Matos Jurema, que exerce/exerceu a Medicina no Rio de Janeiro; Vânia Maria Matos Jurema, formada em Biblioteconomia; Walberto Matos Jurema, economista; Maria Vilma Matos Jurema, formada em Medicina.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *