Conselheiro tutelar de Cajazeiras extorquiu prefeito de Poço Dantas

Delegado detalha crime contra prefeito e aponta conselheiro tutelar substituto de Cajazeiras como autor

AM3 – 250×250

Crimes de extorsão e cibercrime estão sendo investigados numa pacata cidade do interior da Paraíba. O conselheiro tutelar substituto Ronaldo Rodrigues, da cidade de Cajazeiras, responderá pelo crime de extorsão em liberdade, de acordo com o delegado da Polícia Civil, Francisco Filho (foto). Foi comprovado que ele extorquiu o prefeito da cidade de Poço Dantas, no Sertão do Estado, Dedé de Zé Cândido (PTB), enviando mensagens via WhatsApp.

Na tarde dessa quarta-feira (10), o acusado, que preside uma associação de diabéticos, foi ouvido na Delegacia Distrital. Ronaldo ameaçou divulgar fotos comprometedoras do prefeito, de acordo com o delegado. “Nós o enquadramos na categoria de extorsão e não na Lei Carolina Dickman porque a primeira tem mais vigor. O acusado vai responder em liberdade por ter assumido o crime como réu primário. Ele chegou a receber R$ 500 da vítima, que depositou o dinheiro dia 30 de abril. Foi por causa desse depósito e do número do telefone que o encontramos”, contou.

Para chegar ao acusado, o delegado disse que os investigadores entraram no sistema cadastral da linha de telefone. “Nós emitimos o mandado de busca e apreensão, pegamos todos os equipamentos dele eletrônicos para investigação e encontramos, realmente, um conteúdo que ainda está em investigação. Precisamos de autorização para consultá-lo, o que demorará uns dias”, contou.

Segundo a polícia, Ronaldo pediu R$ 4 mil pela ‘preservação da imagem do prefeito’. A metade do pagamento teria que ser feita no dia 30 de abril e a outra metade um mês depois. Na negociação, o prefeito Dedé conseguiu baixar a primeira parte do dinheiro. Orientado pelos policiais, o prefeito pediu uma conta bancária, que Ronaldo passou de uma amiga. “Resta saber se esta moça era cúmplice ou se estava enganada, mas acreditamos que ela tenha envolvimento”, afirmou o delegado.

O caso está sendo apurado na esfera policial, mas no âmbito administrativo, deverá ser solicitado pela Secretaria de Desenvolvimento Humano a abertura de processo administrativo para apurar a denúncia.

O delegado Francisco Filho disse que estão à disposição de qualquer cidadão, empresário ou não, que esteja sofrendo o mesmo tipo de prática extorsiva. “Pode nos procurar, pelo telefone (83) 3531-7005 ou indo diretamente na delegacia, na BR-230, Km-511, Fazenda Boi Morto. Trabalhamos em sigilo e damos total segurança às vítimas”, concluiu.

INFORMAÇÕES: PARAÍBA DEBATE
ELIANE BANDEIRA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.