Posts in category

MARIANA MOREIRA


Onde nasce o preconceito

Read More

Meditações

Read More

Réquiem ao velho casarão

Read More

Onde nasce o preconceito? Essa pergunta ganha dimensão e relevância no momento em que a situação geográfica e de lugar passa a ser usada de forma raivosa e prepotente como uma maneira, nem sempre sutil, e com toda uma carga de veneno cultural e político revelador de uma elite europeizada e presunçosa, para desqualificar a …

0 20

O que move nossos sentimentos quando, de forma abrupta e sem nenhuma plausibilidade racional, somos invadidos por saudades, carências, fragilidades, susceptibilidades capazes de escancarar nossas entranhas humanas lanhadas pelo medo, pela angustia, pela solidão, pelo desamor, pela estranha sensação de finitude e de transitoriedade? O que dá substância ao silêncio que envolve nossas multidões de …

0 17

Por entre suas grossas paredes ainda ecoavam gritos e risos infantis de crianças de outrora. Atrás de portas e cortinas se encantavam suspiros e sonhos de sinhazinhas ingênuas esperando garbosos cavalheiros. O piso de mosaicos coloridos revelava a posição social de seus proprietários. Na sala de estar ainda pairava no ar sons de prosas, gargalhadas, …

0 149

As minhas noites de São João, desde a mais tenra infância, sempre tiveram o sabor de um poema de Manoel Bandeira. Mesmo sem conhecer o vate pernambucano, a melancolia esfumaçada da época junina esteve presente na mais longínqua de minhas memórias. Ainda bem criança marca o primeiro São João sem meu irmão Manoel, abruptamente retirado …

0 29

No alpendre de Impueiras o som de velhos sucessos de Jackson do Pandeiro esgueirava-se nas franjas do tempo inundando nossos ouvidos e sentimentos com lembranças e memórias encantadas em brumas e nevoas de fogueiras. O cheiro inebriante da pólvora queimada antecipa o barulho das bombas e artefatos que insistem em despertar divindades adormecidas no imaginário …

0 17

O que move nossos sentimentos quando, de forma abrupta e sem nenhuma plausibilidade racional, somos invadidos por saudades, carências, fragilidades, susceptibilidades capazes de escancarar nossas entranhas humanas lanhadas pelo medo, pela angustia, pela solidão, pelo desamor, pela estranha sensação de finitude e de transitoriedade? O que dá substância ao silêncio que envolve nossas multidões de …

0 16

Os resíduos que nossa experiência de civilizados produz a cada dia assume proporções absurdas. Matéria orgânica, entulhos da frenética necessidade humana de renovar o atual em nome de uma modernidade que, em muitos momentos, rompe a fronteira da sensatez. Um movimento que, no último século, produziu um dos mais deprimentes espetáculos da racionalidade humana: os …

0 21

O desenvolvimento da tecnologia, sobretudo, da informática e da robótica, vem produzindo, nas últimas décadas, uma verdadeira revolução de costumes movida pela democratização de engenhos antes inacessíveis a grande maioria da população. Dois desses engenhos se espalham como fogo em rastilho e causam significativas mudanças em nossas vidas. Mudanças que oscilam entre a beleza do …

0 17

Alguns gestos que revelam práticas e crenças entram em desuso no mesmo ritmo em que a realidade que as produz vai se transformando e sofrendo os efeitos da dinamicidade que marca a vida. Ficam apenas alguns vestígios cuja manifestação, em muitos momentos, soa como reedições de um tempo amarelado, como fantasmas que, extemporâneos, saem das …

0 27

A formação, em 1922, do Partido Comunista Brasileiro marca o início de um importante momento da história brasileira. Buscando organizar, politicamente, a nascente classe operária nacional, o Partidão, como ficou carinhosamente conhecido, seguiu os ensinamentos de velho Marx e buscou costurar a união internacional dos trabalhadores, na esteira da famosa assertiva: “trabalhadores do mundo, uni-vos”. …

0 19