Cajazeiras-PB, 23/09/2017

Bordado filé de Alagoas para a Copa do Mundo

bordado-file

A menos de um mês para o início da Copa do Mundo no Brasil, as rendeiras do Pontal da Barra, em Maceió, já notam o aumento no faturamento investido em peças temáticas nas cores verde, amarelo, azul e branco. As tradicionais peças feitas com a técnica do filé, bordado reconhecido como Patrimônio Imaterial do Estado de Alagoas que é exportado até para o exterior, serão expostas e vendidas nas cidades-sedes da Copa.

A comercialização contará com o reforço do projeto Expoart, do Sebrae em Alagoas, responsável por levar as peças para serem expostas nas cidades-sedes. Enquanto isso, as artesãs já comemoram as vendas na própria comunidade.

De acordo com as rendeiras, os preços são variados. Um blusa, por exemplo, fica entre R$ 75 e R$ 85, dependendo dos detalhes das peças. O filé produzido pelas rendeiras é feito à mão e rico em detalhes, por esta razão, algumas peças têm valor mais alto.
A rendeira e artesã Maria do Socorro Saraiva, diz que há três meses está confeccionando peças específicas para a Copa do Mundo e que a procura é significativa. “Os turistas procuram, mas muitas vezes questionam o valor de cada peça. Nós precisamos valorizar nosso trabalho, nosso filé é feito à mão. Colocamos para tecer em uma rede para poder produzir cada peça. Não fazemos nada com máquinas, por essa razão os preços são mais altos do que o filé de Fortaleza, por exemplo”, disse.

Segundo Tereza Laura, também bordadeira, outra novidade entre as artesãs é a confecção de acessórios temáticos para a Copa como bolsas e carteiras. “Enviei produtos para o projeto do Sebrae e também fiz questão de vender em minha loja, porque são diferenciados e feitos à mão. Eu confecciono bolsas com filé e acredito que os turistas se encantam ao ver meus produtos”, ressaltou.

A rendeira Milena Cardoso, que produz filé desde os 13 anos, disse que há três meses a procura aumentou na comunidade do Pontal da Barra. Segundo ela, a maior busca em sua loja é por produtos infantis. “Estou até produzindo vestidos infantis para vender. Tenho blusas e saias que faço aqui mesmo, na minha loja”, explicou.

Para a presidente da Associação das Mulheres do Pontal da Barra, Petrúcia Lopes, a expectativa é que as vendas sejam significativas nas cidades-sedes da Copa do Mundo. Por terem uma mercadoria totalmente diferenciada, um filé feito à mão, as pessoas se encantam mais.

“Todas as peças são de filé e foram divididas entre as comunidades Santa Rita, Marechal Deodoro, Barra Nova e Pontal da Barra. O preço das peças exportadas foi trabalhado pelos designers do Sebrae e a maioria das rendeiras da região produziu peças exclusivamente para o projeto”, disse a presidente.

A advogada Taciana de Castro Rodrigues, 27, veio de Tupaciguara, Minas Gerais, e disse estar encantada com as peças temáticas da Copa do Mundo. “Eu não estava procurando peças do Brasil, mas vi em uma das vitrines e me encantei. Vou levar bastante. É interessante levar um pouco da cultura dos outros estados para o nosso, vou usar sempre que for possível”, afirmou.

Sobre os preços, a advogada disse que são realmente um pouco altos, porém, concorda que as artesãs precisam se valorizar. “As peças são muito bem trabalhadas e precisam ser vendidas pelo preço justo. Sei que nem todos os todos turistas podem pagar cerca de R$ 100 em uma peça de filé, mas quem sabe como são feitas, paga sem questionar”, disse.

Expoart – A Expoart é um projeto criado pelo Sebrae para divulgar o trabalho das rendeiras do Estado de Alagoas. As peças produzidas pelas quatro comunidades que produzem rendas do filé serão exportadas para que sejam comercializadas nas cidades que serão sedes da Copa do Mundo em todo o Brasil. O artesanato será exposto e comercializado até o encerramento do mundial.

Bordado filé – O filé é um dos ícones da cultura e do artesanato alagoano, reconhecido como Patrimônio Imaterial do Estado de Alagoas pelo Conselho Estadual de Cultura no último mês de abril. É um tipo de bordado com uma característica única de produção, com pontos geométricos, que tem como base uma rede de pesca presa a um tear de madeira.

Existem diversos tipos de bordados, como a renascença, ponto cheio, o bordado passira e o rendendê. Esses outros tipos de podem ser feitos também à mão, ou com o uso de máquinas específicas, porém nenhum deles carrega uma identidade cultural tão forte como o filé.

G1

SOBRE G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *