A danada vem aí!

46

rua pe rolim 57

Mais de meio-dia, o sol derretendo os miolos, a cachaça infiltrada no juízo, burburinho do povo, gritos da meninada, fogos zoando nos quatro cantos, Manoel Estrela montou e disparou, cascalhos voando pra todo lado num trecho, no outro, as ferraduras tinindo e tirando lascas de fogo no calçamento. Invadiu a festa como um raio, puxou as rédeas, o animal levantou as patas da frente, relinchando frenético e estacou. Manoel olhou em volta, encarou o prefeito lívido de susto e anunciou aos berros:

– A danada vem aí! Saímos juntos de Marizópolis, ela perdeu um pouco de força na Serra da Arara, senão chegava primeiro que eu. Quan­do passa, o fio fica feito brasa. É luz, compadre. É luz!

Tirou do bolso da camisa um pedaço de arribaçã, (Zenaida auriculata virgata) que havia acompanhado a cachaça e proclamou, uma grande admiração, iluminando os semblantes:

– Apanhei na estrada. Encostou no fio, fica torrada. De Santo Antônio pra cá, tem mais de duzentas. Só falta a farofa. É luz, compadre, é luz!

Como chegou, saiu, esporeando, o tropel e afastando-se no rumo da pensão de Edite, onde costumava terminar essas farras de festa. O ve­reador Chico Sales, com quem fazia parelha, ambos com reputação em coisas da noite e de bordel, puxou as palmas entusiásticas.

Ao entardecer, de repente, o povo já cansan­do, a luz finalmente chegou, ofuscante e mágica. O povaréu, em uníssono, gritou, reanimando- se:

– É luz, compadre, é luz!

Um coro que foi ouvido a mais de légua, quebrando-se nas colinas e espalhando-se, dila­cerado pelos galhos do mofumbo (Combretum leprosum), no Vale do Rio do Peixe.
DE LUIZ CARLOS ALBUQUERQUE NO LIVRO NA FORÇA DA LUA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.