Cajazeiras-PB, 23/09/2017

[2004] Jovens de Cajazeiras são assassinados no Ceará

CHACINA-CAPA_800x585

O Dia das Mães foi de muita tristeza e desespero para três famílias cajazeirenses. Logo no início da manhã da último domingo, 09, a cidade foi chocada com a notícia da chacina contra três adolescentes, cujos corpos foram encontrados por populares, num matagal do Sítio Favela, a dez quilômetros do município cearense de Ipaumirim. O crime apresentou todas as características de perversidade.

Foram executados Demétrius Cavalcante Silva, 17 anos, filho do casal Genebaldo (PM reformado) e Nêga, residente na Rua Santo Antonio, 49; Cícero Roberto da Silva Sousa, 16 anos, filho do casal Francisco Roberto de Sousa e Geralda Maria da Silva de Sousa, residente na Rua Ernesto Rolim, 419, e José Filho Alves Ribeiro, 14 anos, filho do casal Adelson Alves Ribeiro e Josefa Olinto Cartaxo, residente na Rua Vitória Bezerra.

Os corpos estavam muito próximos uns dos outros, e os garotos receberam tiros na cabeça. De acordo com o delegado regional de Polícia Civil de Icó, Marcos Sandro Nazaré de Lira, que esteve no local realizando as primeiras investigações, é possível que os adolescentes tenham sido executados na Paraíba e seus corpos “desovados” em Ipaumirim.

Cumprindo determinação expressa do secretário de Segurança Pública do Ceará, Wilson Nascimento, o delegado Marcos Sandro iniciou, imediatamente, um trabalho de investigação mais profundo. Ele se deslocou para Cajazeiras, na segunda-feira, 10, acompanhado do escrivão Francisco Maurício e do Cabo PM Assis, da cidade de Icó, oportunidade em que ouviu várias pessoas.

 

Depoimentos – Uma testemunha importante ouvida foi Francisco Fernandes Gonçalves de Sousa, o Chiquinho, 42 anos, residente no Sítio Picada dos Andrade, município de São José de Piranhas. Ele é o proprietário da famosa “Casa dos Artistas”, local freqüentado pelos menores antes de serem executados, na madrugada do último domingo.

Em entrevista ao repórter Ivanildo Dunga, da Rádio Alto Piranhas, Chiquinho revelou que dois dos garotos assassinados, o Demétrius Cavalcante e o Cícero Roberto eram freqüentadores da sua casa. Ele disse que foi a Micaranhas de São José de Piranhas, deixando na residência, o casal conhecido como Dedê e Maria Edvaneide. Quando retornou, por volta das seis horas da manhã de domingo, recebeu a informação de que Demétrius, Cícero e José Filho tinham visitado sua casa, e depois chegou um homem não identificado muito aborrecido chamando os três garotos.

Chiquinho também revelou que conhecia bem o Demétrius. “Ele já me disse que andava fazendo uma coisas por aí. Inclusive, acompanhado de um amigo, o Demétrius já levou uma bicicleta de um grupo escolar aqui das proximidades e foi para Cajazeiras”, declarou Chiquinho, adiantando que sempre advertiu o menor sobre esses problemas de envolvimento com roubo.

Outro que foi ouvido pelo delegado Marcos Sandro e que também falou ao repórter Ivanildo Dunga, foi o Dedê, que ficou na casa de Chiquinho, durante a noite de sábado para domingo. Dedê disse que, além dele e da mulher Maria Edvaneide, mas duas pessoas estavam na “Casa dos Artistas”, quando os três adolescentes cajazeirenses chegaram no local, por volta das 03 horas e 45 minutos da manhã. Eram, segundo ele, os jovens conhecidos apenas por Marcelo e Borracha, residentes na Asa Sul de Cajazeiras.

Dedê confirmou que Demétrius chegou na casa acompanhado dos outros dois garotos, sendo que, logo em seguida, um homem não identificado, demonstrando muito nervosismo chegou chamando os três. “Não consegui identicar o homem e nem o carro. Só sei que ele estava muito nervoso e armado de revólver”, observou Dedê, acrescentando que o veículo demonstrava ser velho, porque fazia muito barulho.

 

Novas investigações – Nas últimas horas, o delegado regional de Icó, Marcos Sandro, recebeu o apoio das polícias Civil e Militar de Cajazeiras, no trabalho investigativo. O Delegado Francisco Araújo juntamente com os agentes Paulão, Gerliê e Miranda, além do Grupo de Operações Especiais do VI BPM local, comandado pelo capitão Cunha, também estão diligenciando, no sentido de esclarecer a chacina contra os três menores.

Segundo informações não confirmadas divulgadas nos programas policiais das emissoras de rádio de Cajazeiras, as autoridades estão bem próximas de descobrir o autor ou autores do crime, que continua repercutindo muito nos estados da Paraíba e do Ceará.

Há informações, inclusive, de que a polícia já descobriu uma testemunha que pode ter presenciado tudo, e cujo depoimento pode por fim a mistério. Os rumores que circulam na cidade são de que os adolescentes foram mortos com todos os requintes de crueldade, ajoelhados e pedindo para não serem executados.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS - ED. 283 (14 A 20/05/2004)

SOBRE Gazeta do Alto Piranhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *